O público de rock clássico sempre gostou de ouvir uma boa guitarra. Também sempre gostou de uma boa história.
Nessa coluna você conhece um pouco mais sobre os guitarristas que fizeram história e marcaram toda a sonoridade de um período rico em criatividade e experimentos arrojados. Acreditando, sinceramente, que um agudo do Dave Gilmour vale mais que cem notas destes guitarristas modernos, Fernando Varejão apresenta bios, dados e fotos desses guitarristas incríveis.
 

Allan Hodsworth nasceu na cidade de Bradford, Yorkshire, Inglaterra em 6 de agosto de 1946. Allan é daqueles guitarristas que influenciou vários grandes guitarristas (como Eddie Van Halen), mas que nunca mereceu um destaque na mídia em geral. Dono de uma técnica peculiar, seu som lembra violino, devido ao uso de ligados e vibrato. Foi introduzido na música pelo seu pai que era pianista. Primeiramente começou com saxofone, sem sucesso foi tocar guitarra depois dos 17 anos. Aprendeu rapidamente o instrumento. Também aprendeu a tocar violino, fato que, notadamente, influenciou sua sonoridade e timbre.
Em 72 fez teste para tocar no grupo do saxofonista Ray Warleigh em Londres. Ingressou no grupo de rock progressivo Tempest que chegou a lançar um disco. Nesta época o fusion estava nascendo e o renomado baterista Tony Williams descobriu Allan que foi convidado a ingressar na sua banda, o Tony Williams Lifetime (1975), em substituição a nada mais nada menos que John McLaughlin. Sua passagem pela banda de Williams foi rápida. Nesta época o estilo de Allan já de definia: timbre forte e limpo com notas quese que contínuas com muito vibrato. Integrou a banda Gong de 1976 a 1978 e participou de 3 discos: Expresso, Gazeuse! e Expresso II.
Nesta época Holdsworth participou de gravações com Gordon Beck, Jack Bruce, UK e Soft Machine. Destaques para sua atuação no disco Enigmatic Ocean de Jean-Luc Ponty e dos dois primeiros discos do baterista Bill Bruford: Feels Good to Me e One of Kind. No disco de Ponty Allan esbanja técnica e sensibilidade e trava um saudável duelo com o violino de Ponty. Nas gravações com Bruford Allan mostra garra, rapidez, limpeza e fraseados maravilhosos e desafiantes. No final dos 70 Holdsworth começa sua carreira solo.
A partir daí seguem-se várias gravações do mais puro fusion. Foi pioneiro no uso Synthaxe, uma guitarra sintetizada com formato não tradicional. Ganhou prêmios pela revista Guitar Player de 1989 a 1994. Allan Holdsworth é mais que um virtuoso na guitarra, sua sonoridade bem peculiar deu uma nova dimensão a guitarra e influenciou toda uma geração de guitarristas.

James Patrick Page ou Jimmy Page nasceu em 9 de junho de 1944 em Heston, Middlesex, Inglaterra. Jimmy Page é um dos mais importantes nomes da guitarra no Rock. Marcou a história da música com sua versatilidade demonstrada em belas composições. Seu enorme talento influenciou guitarristas, músicos e toda uma geração. Foi um dos pilares de uma das mais expressivas bandas de todos os tempos: o Led Zeppelin.

Page começou a tocar guitarra aos 14 anos. Após a High School entrou para sua primeira banda de rock, o Neil Christian & the Crusaders. Excursionou pela Inglaterra, mas deixou a banda por problemas de saúde. Durante sua recuperação interessou-se pela pintura e matriculou-se na faculdade de arte em Sutton, Surrey. Com o grande "boom" do rock nos anos 60 voltou a tocar, mas decidiu ser produtor e guitarrista de estúdio. Tocou com grandes nomes como The Who, Donovan, The Kinks e Rolling Stones. Em 1966 ingressou na banda Yardbirds, primeiramente como baixista depois como guitarrista. Conheceu e tocou com outro grande da guitarra, Jeff Beck. Em 1968 formou o New Yardbirds com o baiixsta/tecladista John Paul Jones, Robert Plant nos vocais e John Bonhan na bateria (indicado por Plant).

Após uma breve excursão resolveram mudar o nome da banda para Led Zeppelin, algo que fosse pesado mas que fosse leve a ponto de voar. Assim nasceu a mais influente banda de rock de todos os tempos.

O primeiro disco do Led Zeppelin (69) foi gravado em apenas 30 horas e trouxe clássicos como Dazed and Confusion, Communication Breakdown, Baby I'm Gonna Leave You e I Can't Quit You Baby . Tem também um belo e místico solo de violão chamado Black Mountain Side. O sucesso do Led foi imediato e logo gravaram o segundo disco (69). Outro clássico do rock. O riff de abertura em Whole Lotta Love é legendário. Destaque para as faixas Thank You, belíssima composição com John Paul Jones ao órgão e Heartbreaker com um solo "incendiário". Em 1970 é realizado o terceiro disco com uma linha mais acústico/folk, mostrando a versatilidade de Page.
O quarto disco do Led lançado em 71 traz a balada mais famosa dor rock: Stairway To Heaven, com um solo exemplar. Neste disco estão também Black Dog e Going To California. Em 73 sai o álbum Houses Of The Holy e com ele, mais clássicos: The Song Remains The Same, Rain Song, The Ocean e Over The Hills And Far Way. Nesta fase Jimmy Page estava no auge da fama e já tinha influenciado toda uma geração.
Em 1976 sai o disco ao vivo entitulado The Song Remains The Same, gravado no Madison Square Garden, que mais tarde seria lançado em filme. Nele aparece Page tocando guitarra com um arco de violino em um dos momentos mais marcantes da história do rock. Seguem-se os álbuns Physical Grafitti (75) e Presence (76), lançados pelo selo criado por Page, o Swan Song.
O sucesso do Led Zeppelin era mundial quando começaram a surgir problemas pessoais. Robert Plant e sua mulher sofrem um sério acidente na Grécia e a turnê de 75 foi cancelada. Em 77 morre um dos filhos de Plant (Karac aos 16 anos) e outra turnê foi cancelada. Em 1979, com a banda refeita é realizado o disco In Through the Out Door (que contém a belíssima All My Love). Em setembro de 1980 após a tour européia e nas preparações para a tour americana, morre John Bonhan (asfixiado pelo próprio vômito depois de uma bebedeira). Em dezembro é anunciado o fim do Led Zeppelin.

Após o fim da do Led, Jimmy Page fez a trilha do filme Death Wish (com Charles Bronson) e participou de vários concertos beneficentes, entre eles o Live Aid em 1985 com a presença de Plant. Tocou na banda Firm com elementos do Bad Company. Jimmy esteve no Brasil algumas vezes na década de 70 para curtir nossas praiasn a concite do amigo Jim Capaldi (baterista do Traffic).

John McLaughlin nasceu na cidade de Yorkshire, Inglaterra em 4 de janeiro de 1942. Um dos maiores nomes do jazz conteporãneo. Possui muita criatividade, versatilidade e uma técnica primorosa. Têm uma vasta discografia e recebeu diversos prêmios como melhor guitarrista de Jazz.

Começou a tocar guitarra aos 11 anos inspirado por cantores de blues. No início da década de 60 tocou com Alexis Korner, Graham Bond, Ginger Baker, entre outros. No meio dos anos 60 trabalhou seis mêses com Gunter Hampel fazendo free jazz. Seu primeiro disco saiu em 1969 o clássico Extrapolation. Após este disco foi morar em NYC e integrou a banda de Tony Williams. Participou das gravações do histórico álbum de Miles Davis, Bitches Brew. Além de McLaughlin tocaram também Joe Zawinul, Wayne Shorter, Airto, Chick Corea, Jack DeJohnette, entre outros.

Em 1971 McLaughlin cria a Mahavishnu Orchestra, super grupo de fusion e um dos principais representantes do estilo. A Mahavishnu lançou 3 discos na primeira fase do grupo. Em 1972 junto com Carlos Santana grava o disco Love Devotion Surrender, um disco inspirado em John Coltrane, que se tornou um clássico do fusion. Em 1974 McLaughlin reformou o grupo, que teve a presença de Jean-Luc Ponty, mas durou muito pouco tempo. John passou a tocar violão excursionando com o grupo Shakti, inspirado na sonoridade da índia. Pelo Shakti lançou 3 discos. Em 1977 lança o disco Electric Guitarist, com participação de velhos amigos como Carlos Santana. Na década de 80 trabalhou com Al DiMeola e Paco de Lucía. Formaram um dos maiores trios de violão já visto e lançaram alguns excelentes álbuns.

Em 1984 recriou a Mahavishnu com jovens e talentosos músicos. Com esta banda John usou uma guitarra sintetizada Synclavier. Gravaram 2 álbuns. Nos anos 90 participou de alguns projetos e lançou vários discos, entre eles uma homenagem ao pianista Bill Evans. Em 1993 excursionou com pianista Joey DeFrancesco e o baterista Dennis Chambers. Seu trabalho mais recente foi Thieves and Poets lançado em 14 de outubro de 2003.

Steve Lukather nasceu em Los Angeles EUA em 21 de outubro de 1957. Guitarrista de extremo talento e de muita versatilidade. Possui técnica invejável e frases muto bem construídas. Seu estilo inclui o rock, fusion e blues. É também produtor, compositor, cantor e arranjador. É fundador da banda pop TOTO e também um requisitado músico de estúdio.

Começou na música ainda criança tocando teclado e bateria. Sua primeira guitarra foi um presente de seu pai. Sua principal influência musical foram os Beatles. Na High School conheceu os irmãos Jeff e Steve Porcaro. Neste época estudou música clássica, jazz e country com o professor Jimmy Wyble. Após formar-se ingressou na carreira como músico profissional. Tocou como músico de estúdio e acompanhou inúmeros artistas, entre eles Barbra Streisand, Diana Ross, Hall and Oates e Boz Scaggs.

Em 1976 formou a banda TOTO junto com David Paich (teclados e vocais), Jeff Porcaro (bateria), Bobby Kimball (vocais), David Hungate (baixo) e Steve Porcaro (teclados). Gravaram o primeiro disco em 1977 e obtiveram um grande sucesso, principalmente com as músicas Hold the line, I'll supply the love e Georgy Porgy. O som do TOTO é um pop refinado com músicas muito agradáveis e um excelente trabalho de guitarra. Até hoje o Toto permanece ativo e gravou vários discos ao longo de uma carreira que já ultrapassa 25 anos.
O álbum de maior destaque é TOTO IV (82) que foi um campeão de vendas e mostra excelentes performances da banda, como nas músicas Make Believe, Africa, I Won't Hold You Back, Afraid of Love e Rosanna. Nesta última, ao final, Lukather faz um solo de guitarra simplesmente maravilhoso, onde mostra toda a pujança do excelente guitarrista que é.

Seu primeiro trabalho solo foi lançado em 1989 com o nome de Lukather. Conta com a participação de vários músicos como Michael Landau, Danny Kortchmar, Randy Goodrum, Steve Stevens e o amigo e gênio Eddie Van Halen. No mesmo ano realizou o primeiro disco do projeto Los Lobotomys que foi gravado ao vivo. Desta banda de fusio/rock participaram também David Garfield (teclados), Jeff Porcaro (bateria), Vince Colaiuta (bateria) e Will Lee (baixo).

Como líder de banda lançou ainda os discos Candyman (94), Luke (97) e Santamental (2003), este último com participação de estrelas como Edgard Winter, Simon Philips, Lenny Castro e Larry Carlton. Ao lado de Larry Carlton gravou um excelente disco ao vivo no Japão chamado No substitutions (98).

Seu projeto mais recente foi o HENDRIX FILES TOUR realizado em outubro de 2003. Uma homenagem ao 60º aniversário de Hendrix e teve a participação do guitarrista Jan Akkerman (Focus).

Brian Harold May ou Brian May nasceu em 19 de julho de 1947 em Twickenham, Londres Inglaterra. Guitarrista e fundador do legendário grupo de rock Queen. Brian May é um dos pouquíssimos guitarristas que é imediatamente reconhecido, devido ao seu timbre e fraseados de muita personalidade.
Seus solos são bem construídos e seus riffs marcaram clássicos do rock como We Will Rock You e We Are The Champions. Um de suas marcas é a sua guitarra que foi projetada e feita por ele e seu pai. May é um dos mais representativos guitarristas do rock britânico.

Seu interesse pela música começou ainda criança. Inicialmente aprendeu piano e ukulele, uma espécie de cavaquinho hawaiano. Em seu aniversário de sete anos ganhou sua primeira guitarra. Logo depois May e seu pai começaram a contruir uma guitarra que se tornou uma de suas marcas de sua carreira. Este instrumento único foi finalizado 2 anos depois e nomeado Red Special.
Suas principais influências musicais foram Hank Marvin (do The Shadows), Scotty Moore (guitarrista de Elvis Presley) e Buddy Holly. Formou sua primeira banda, chamada 1984, quando era secundarista. O som da banda era rock instrumental. No ano de 1967, no Olympia Theatre em Londres, abriram shows de Jimi Hendrix, Traffic, Pink Floyd e do T. Rex. Em 1968 após iniciar seus estudos em física no Imperial College, May deixou o 1984. Na faculdade conheceu o baterista Roger Taylor e, juntamente com o ex-baixista/vocalista do 1984 Tim Staffell, formou a banda Smile.

Após graduar-se (com honors degree em física e matemática) pode se dedicar integralmente ao Smile, que logo assinou um contrato com a Mercury Records. Apesar de uma grande promessa o Smile lançou apenas um single e gravou algumas faixas. Tim Staffell deixou a banda e indicou um amigo para ser o vocalista, seu nome era Freddie Mercury. Mudaram o nome da banda para Queen e deram uma nova direção para a musicalidade do grupo: rock pesado e baladas. Após testar vários baixistas contrataram John Deacon. Assim formou-se uma das maiores bandas de rock da História, o Queen.

Em 1973 lançaram o primeiro disco pela gravadora EMI/Elektra. Começava aí uma longa e muito bem sucedida carreira do Queen. Brian May teve uma forte influência na sonoridade da banda. May compôs vários dos grandes sucessos do Queen como "We Will Rock You", "Fat Bottomed Girls", "Now I'm Here" e "Tie Your Mother Down" entre outras.

Em 1983 May lançou seu primeiro trabalho solo, um EP com 3 faixas chamado Star Fleet Project. Neste disco May conta com participação do baterista Alan Gratzer (REO Speedwagon), do baixista Phil Chen (Rod Stwart band) e do gênio da guitarra Eddie Van Halen. O disco mostra May e Eddie em grande forma, pricipalmente no blues, chamado Blues Breaker, dedicado a Eric Clapton, que à época desdenhou da homenagem. Nesta época a guitarra de May, a Red Special, foi lançada comercialmente pela conceituada fábrica Guild. Neste período também gravou um vídeo aula chamado Star Licks.

Em 1991, com o falecimeto da Freddie Mercury, o Queen se defez e May partiu para a carreira solo. No mesmo ano tocou no projeto Guitar Legends ao lado de Steve Vai e Joe Satriani.
Seu primeiro LP solo foi precedido do single "Driven by You" que fez um grande sucesso como música de fundo de um comercial para TV de um carro da Ford. A música foi premiada como melhor tema de comercial para TV. Em 1993 é lançado seu primeiro trabalho solo, BackTo The Light. Neste disco participam feras como o baterista Cozy Powell e o baixista Neil Murray. Em 1994 lançou o disco Live at the Brixton Academy, que contém material solo e músicas do Queen. Em 1998 gravou seu segundo disco, Another World.

Em 2002 May protagonizou um dos melhores momentos do rock em todos os tempos: no telhado do Palácio de Buckingham, solando God Save the Queen, deu início ao show de comemoração do Jubile de Ouro da rainha Elizabeth, evento que foi visto por milhares de pessoas em todo o mundo.

Steven J. Morse ou Steve Morse nasceu em 28 de julho de 1954 na cidade de Hamilton, Ohio EUA. Steve Morse, atualmente integra o Deep Purple. Substituir Ritchie Blackmore não é para qualquer um. Então porque Steve foi escolhido ? Steve é um dos maiores guitarristas do mundo.

Recebeu vários prêmios como melhor guitarrista "Overall" pela Guitar Player Magazine, e foi incluído no Hall Of Fame. Consegue reunir excelente técnica, versatilidade, personalidade e criatividade. Sua carreira musical começou ainda criança, apredendo piano e clarineta.

Começou a tocar guitarra depois de assistir um concerto do vilonista Juan Mercadal, que foi seu professor. Suas influências musicais foram Beatles, Jimi Hendrix, Yardbirds e Led Zeppelin. Estudou na Universidade de Miami, onde foi conteporãneo de Jaco Pastorius e Pat Metheny. Na mesma Universidade assistiu ao show da Mahavshinu Orchestra (com John McLaughlin) o que deu a direção para a sua música: o fusion.

Em 1974 resolveu formar um grupo e convidou alguns amigos -,o baixista Andy West (colega de High Scool), Rod Morgenstein na bateria e Allen Sloan no violino. O grupo, inicialmente, se chamou Dixie Dregs e depois viria a se chamar The Dregs, e teve vários tecladistas. Com o Dregs Steve gravou excelentes discos que lhe deram vários prêmios. Seu estilo de tocar mostrava muito virtuosismo. Muito rápido, utilizava fraseados roqueiros misturados aos de jazz. Seu estilo é iconfundível e adquiriu sonoridade própria com sua guitara Fender Telecaster mexida. No disco Industry Standar fez um belo duo violão com Steve Howe.

Em 1984 partiu para carreira solo e lançou o excelente álbum The Introduction. Seguiu-se outros álbuns com a mesma qualidade instrumental: Stand Up (1985), High Tension Wires (1989), Southern Steel (1991), e Coast to Coast (1992). Mas, Steve não tinha o reconhecimento merecido, era mutio famoso apenas entre guitarristas. Então em 1996 foi convidado a integrar o gigante do rock Deep Purple em 1996 para excursionar pelos EUA e pela Europa.
Agora Steve tinha o destaque que sempre mereceu, afinal substituir Ritchie Blackmore não era tarefa para qualquer guitarrista.

Leroy Buchanan ou Roy Buchanan nasceu em 23 de setembro de 1939 em Ozark, Arkansas EUA. Um dos grandes guitarristas de blues em todos os tempos. Sua sonoridade é altamente características, com muito sentimento, grandes agudos e muitos hamônicos. Seu timbre é caracterizado por sua famosa e berrante fender telecaster.

Seu interesse pela guitarra começou aos 7 anos, quando seus pais contrataram um professor de steel guitar. Aos 13 anos ganhou sua primeira fender Telecaster. Aos 15 foi tentar a vida em Los Angeles. Logo após a sua chegada despertou o interesse do multi-instrumentista Johnny Otis, que o ajudou. Estudou blues com Jimmy Nolen, Pete Lewis e Johnny "Guitar" Watson.

Nos meados da década de 50 montou sua própria banda, The Heartbeats. No final da década de 50 mudou-se para o Canada onde tocou com o vocalista de rockabilly Ronnie Hawkins. Nos meados da década de 60 volta para os EUA e forma a banda The Snakestretchers. Nesta época começou a ser elogiado por celebrideades como John Lennon, Eric Clapton e Merle Haggard. Inclusive teria recusado um convite para ingressar no Rolling Stones para o luigar de Brian Jones.

Em 1971 ganha notoriedade nacional com um documentário exibido na televisão com o título "The Best Unknown Guitarist in the World". Após o emblemático programa, Buchanan assina um contrato com a gravadora Polydor e inicia um bem sucedida carreira solo. Durante a década de 70 gravou excelentes álbuns, 5 pela Polydor e 3 pela Atlantic tendo recebido dois discos de ouro. Destaque para os álbuns Roy Buchanan (72), That's What I Am Here For (74) e Live Stock (75). No início da déca de 80 desiludiu-se com o mercado fonográfico e ficou 4 anos sem gravar.

Nos meados da década de 80 a gravadora de blues Alligator convenceu Buchanan a voltar a gravar. Pela Alligator Buchanan realizou 3 aclamados álbuns When a Guitar Plays the Blues (85), Dancing on the Edge (86) e Hot Wires (87).
Em 14 de agosto 1988 sua vida sofre uma guinada quando é preso na cidade de Fairfax no estado de Virgínia por embriaguez pública. Logo após ser preso, um policial ao fazer a revista em sua cela verificou que Buchanan havia se enforcado com sua camisa. Sua familía nega a versão.

Buchanan foi um dos gênios que recusou o estrelato em nome da liberdade de criar. Influenciou excelentes guitarristas, entre eles Jeff Beck que dedicou a ele sua ilustre e famosa versão da música Cause We've Ended as Lovers (Blow by Blow). Em 2001 foi lançado o livro Roy Buchanan: American Axe, uma homenagem escrita por Phil Carson.

Jan Akkerman nasceu em 24 de dezembro de 1946 em Amsterdan, Holanda. Genial guitarrista que já foi considerado o melhor do mundo em 73 pela revista Melody Maker, ofuscando Clapton, Page e Beck. Ficou famoso ao integrar o legendário grupo de música progressiva Focus. Com quase 50 anos de carreira Akkerman adquiriu respeito e grande reputação mundial

Começou a tocar guitarra quando aos 5 anos. Foi incentivado por seu pai que era guitarrista, mas sua mãe queria que o jovem tocasse acordeon. Felizmente Akkerman escolheu ser guitarrista, embora tenha tido lições de teclados e saxofone. Na adolescência seu interesse musical ia desde o rock'n roll ao clássico.

Ainda adolescente formou sua primeira banda, o The Friendship Sextet. Depois tocou no The Shaking Hearts e Johnny & His Cellar, que contava com a partcipação do baterista Pierre van der Linden. Após algumas mudanças a banda se chamou The Hunters, que teve relativo sucesso. Durante a curta duração da banda, Akkerman gravou seu primeiro disco solo Talent for Sale (68). Em 69 foi convidado a participar do disco do vocalista Kazimierz (Kaz) Lux, junto com Pierre van der Linden na bateria e André Reynen no baixo. Esta gravação resultou na formação da banda Brainbox. Realizaram apenas um disco e a banda foi considerada a numero um de rock progressivo da Holanda.

No final de 69 Akkerman deixa a banda. No mesmo ano conheceu o flautista Thijs Van Leer durante a montagem da versão holandesa do musical Hair. Van Leer criou o grupo Focus que inicialmente era formado pelo baixista Martin Dresden, o baterista Hans Cleuver, além Van Leer nos vocais, flauta e teclados. Mas, a banda precisava urgentemente de um guitarrista. Em novembro Jan Akkerman foi convidado a participar de uma jam no The Shaffy Theatre com o trio de Van Leer, uma sugestão do baixista Martijn Dresden. Akkerman não só entrou para o Focus, mas também exerceu grande influência em sua sonoridade, incorporando elementos da música clássica.
Cabe ressaltar que Akkerman em viagem na Inglaterra, nos meados da década de 60, assistiu a um concerto de violão e alaúde do renomado Juliam Bream, que o deixou fascinado, principalmente pelo repertório com músicas medievais.

Em 1970 o Focus lançou seu primeiro disco In And Out Of Focus. Mas o sucesso só veio com o segundo disco Moving Waves (71) , onde se destaca as músicas Hocus Pocus e Eruption, que contém solos inflamados de Akkerman. O terceiro álbum, Focus 3 (72), projeta o grupo mundialmente. O álbum é considerado um dos melhores do rock progressivo. Destaque para a música Sylvia, um dos maiores sucessos do grupo. Depois vieram os álbuns Live at the Rainbow (73) Hamburger Concerto (74) e Mothe Focus (75). Este último é um trabalho um pouco atípico do Focus, pois as músicas têm uma mistura de pop e jazz, mas o resultado é extraordinário, como nas faixas Soft Vanilla, Hard Vanilla e Focus IV.

No período em que integrou o Focus, Akkerman lançou 2 discos solos Profile (73) e Tabernakel (74). Ambos possuem uma sonoridade que inclui o fusion, rock progressivo e música medieval, com excelentes execuções de Akkerman. Em Tabernakel, garvado nos EUA, participam o baterista Carmine Appice e o baixista Tim Bogart. Devido ao enorme sucesso no Focus, Tabernakel vendeu muito bem. Em 1976 Akkerman deixa a banda devido a problemas de relacionamento com Van Leer.

Após a saída do Focus, começou uma bem sucedida carreira solo. Seus discos sempre apresentam música clássica, jazz, blues e funk. Esta versatilidade faz dele um artista difícil de classificar. Akkerman participou de vários festivais na Europa e gravou um disco ao vivo em Montreaux em 1978. No mesmo ano realiza o álbum Aranjuez, com peças clássicas e que tem a participação do maestro e arranjador Claus Ogerman. Este disco traz no repertório músicas de Rodrigo, Ravel e Villa-Lobos.

Em 1985, após 10 anos, reencontrou Thijs Van Leer e realizaram o álbum Focus, que foi de certa forma um fracasso musical. Em 89 foi convidado, pelo produtor Miles Copeland (Police), a integrar o projeto Night Of The Guitar, que resultou em uma tour mundial. Da parceria com Copeland resultou o disco The Noise Of Art. Entre 1990 e 91 trabalhou como músico de estúdio e integrou o Charlie Byrd Trio.

Em 1992 sofreu um sério acidente de carro na Holanda e passou 6 meses se recuperando. Exatamente um anos depois, se casou e gravou o disco Puccini's Café, que fez um certo sucesso. Neste mesmo ano se apresentou no North Sea Jazz Festival ao lado de Thijs Van Leer. Em 1998 e 2001 fez várias apresentações, como convidado, ao lado de B.B. King.

Seu disco mais recente é C.U. gravado em 2003. Lançou também um DVD com apresentações diversas, inclusive mostra improvisações ao lado de Paco de Lucía. Em outubro de 2003 participou do projeto Hendrix Files ao lado do guitarrista Steve Lukater. Este projeto, um tributo ao 60º aniversário de Hendrix, contou com a participação de vários músicos e foram realizadas várias apresentações.

Carlos Santana nasceu em 20 de julho de 1947 na cidade mexicana de Autlan De Navarro. Santana é um mito da música popular. É uma unanimidade planetária. Um dos mais criativos e geniais guitarristas. Inovou ao fundir a música latina com o rock. Sua sonoridade é altamente característica, seus solos são facilmente indentificáveis. Carlos Santana é uma lenda viva.

Foi criado no México, seu pai era um violonista mariachi. Aos 5 anos começou a aprender violino, mas aos 8 trocou pela guitarra. Sua família muda pra a cidade de Tijuana e Carlos começa a tocar em bares e clubes locais.

Em 1961 imigram para os EUA, mas precisamente para San Francisco. Santana passou a adolescência convivendo com os modos e ares da cidade que seria berço de uma nova geração. Assistiu vários shows e começou a se "enturmar". Em 1966 formou o Santana Blues Band ao lado do tecladista Gregg Rolie. O nome da banda soou inadequado e encurtaram para Santana.

O produtor Bill Graham gostou do som da banda e promoveu a primeira apresentação no Fillmore West Theater em San Francisco no dia 16 de junho de 1968. Nesta época o som do grupo era cheio de longos improvisos e com influências jazzísticas, o que não era comercial. Em 69 gravam o primeiro disco chamado Santana, pela Columbia, e começam uma turnê americana. Dentro desta turnê, em 15 de agosto, acontece o histórico concerto em Woodstock, onde Santana faz uma das melhores apresentações. No memso mês á lançado nacionalmente o primeiro disco. As músicas Evil Ways e Soul Sacrifice estouram nas paradas. O som do grupo soa como uma grande novidade e vende 2 milhões de cópias.

Em setembro de 1970 lançam o segundo disco, Abraxas, e emplaca os sucessos "Black Magic Woman" e "Oye Como Va". Este disco vendeu 4 milhões de cópias. O terceiro disco sai em setembro de 71 e vende 2 milhões de cópias. Carlos então resolve reformar a banda e Gregg Rolie sai indo formar o Journey ao lado do jovem guitarrista Neal Schon, que também tocava na banda. Era o fim da fase Woodstock de Santana.

Em 1972 lança Carlos Santana & Buddy Miles! Live!, um disco ao vivo gravado no Hawai com o cantor e baterista Buddy Miles. O álbum recebe o disco de platina. No mesmo ano lança o 4º álbum do Santana, Caravanserai. Neste disco Carlos, que gozava de muito prestígio, convida vários músicos e cada faixa tem line up diferente. O álbum recebe o disco de platina e Santana recebe o Grammy Award de Best Pop Instrumental Performance. Neste disco Santana mostra inclinação para o jazz rock. Nesta época Carlos recebe influências orientais, através do guru Sri Chinmoy, e muda seu nome para Devadip Carlos Santana.
Com o amigo, e também discípulo de Chinmoy, Mahavishnu John McLaughlin grava o disco Love Devotion Surrender em 1972. Era um encontro memorável, pois tratava-se de dois dos maiores guitarristas da época de todos os tempos.

Durante as décadas de 70 e 80 Santana lança vários discos com o grupo, todos com alto índice de vendas e também realiza trabalhos com outros artistas, como no disco Illumination (74), um duo com a viúva de John Coltrane. Em 80 lança o álbum duplo solo, The Swing of Delight, com as feras do jazz Herbie Hancock, Wayne Shorter e Ron Carter. Outro trabalho solo que merece destaque é Blues for Salvador (87) que ganhou o Grammy Award de Best Rock Instrumental Performance.

Na década de 90 muda de gravadora, vai para a Polydor, e lança bons discos como Milagro e Brothers, com seus irmãos. Em 1999 Santana surpreende o mundo com o álbum Supernatural, onde conta com vários convidados de diversos estilos - Eagle-Eye Cherry, Wyclef Jean, Eric Clapton, Lauryn Hill, Rob Thomas do Matchbox 20, Everlast e Dave Matthews. As músicas Smooth e Maria, Maria estouram nas paradas de todo o planeta. Supernatural vendeu mais de 10 milhões de cópias e ganhou, nada mais nada menos que 8 prêmios Grammys. Seu trabalho mais recente é Shaman, lançado em outubro de 2002.

Em 40 anos de uma bem sucedida carreira Carlos Santana recebeu várias dezenas de prêmios, por vendagem de discos e como instrumentista. Com isso ele prova que sucesso e qualidade podem andar juntos, e que esta receita leva à eternidade. Santana é uma verdadeira lenda viva. Aliás quem não o admira ?

Stephen James Howe ou Steve Howe nasceu em 8 de abril de 1948 em Holloway, North London, Inglaterra. Um dos maiores guitarristas de rock progressivo da história. Foi o guitarrista da legendária banda Yes. Howe é um guitarrista versátil, de técnica apurada, sonoridade limpa e uma posição de tocar muito elegante.

Aos 12 anos ganhou sua primeira guitarra de presente no natal. Howe inspirou-se em artistas diversos como Bill Haley and the Comets, Les Paul, Jimmy Byant e Tennessee Ernie Ford. Musicalmente foi influenciado, principalmente, por Chet Atkins.

Também foi influenciado por Django Reinhardt e o duo Les Paul & Mary Ford. Para quem se tornaria um dos maiores guitarristas de rock progressivo estas influência podem parecer estranhas. Sua primeira banda foi o The Syndicats formada em 1964. O estilo era rock¿n roll tipo Chuck Berry. Durante a segunda metade da década de 60 formou algumas bandas com pouca expressão, apesar de ter realizados alguns discos. Fez testes para entrar no JethroTull mas não foi aceito.

Em 1970, Howe já tinha sido escutado por alguns dos membros do Yes, que já havia lançado dois discos mas seu guitarrista, Peter Banks, não satisfazia a banda. Então, na primavera do mesmo ano, Howe é convidado a entrar para o Yes. Sua primeira apresentação foi em 17 de julho no Lyceum em London. O primeiro disco com Howe foi o excelente Yes Album, que traz sucessos como Yours Is No Disgrace, Starship Trooper e I've Seen All Good People. Neste álbum está o surpreendente solo The Clap, gravado ao vivo. Neste solo Howe mostra sua técnica clássica, raridade entre roqueiros. O segundo disco do Yes, Fragile, deu ao grupo o status de super banda. Neste disco Howe grava o solo Mood for a Day, bonito e delicado é uma verdadeira peça clássica. O principal sucesso do disco Roundabout é composto por Howe junto com o vocalista Jon Anderson.

Até o fim do Yes em 1980, Howe moldou a sonoridade do grupo com seu timbre limpo, técnica clássica e muita sensibilade, como nas músicas The Gates of Delirium (Relayer 74) e Turn of the Century (Going for The One 77). Enquanto integrava o Yes, Howe lançou dos álbuns solos - Beginnings (76) e The Steve Howe Album (79). Nestes trabalhos fica nítida sua grande influência no Yes. Composições com pinceladas de música clássica, solos de violão e uma bela transcrição para guitarra do 2º movimento do Concerto em Ré de Vivaldi. Howe recebeu o prêmio Best Overall Guitarist pela revista Guitar Player por 5 anos consecutivos e em 1981 tornou-se o primeiro guitarrista de a entrar para o Hall of Fame.

Após sair do Yes integrou a super banda Asia, com Carl Palmer na bateria, John Wetton no baixo e Geoff Downes nos teclados. Apesar destes músicos sensacionais o som do Asia soa muito comercial. Howe grava os dois primeiros discos Asia (82) e Alpha (83) e deixa a banda. Em 86 forma o GTR com o ex-guitarrista do Genesis Steve Hackett. Gravam um único disco e o GTR se desfaz. Em 1989 Howe de reúne com Jon Anderson, que havia saído do Yes, Bill Bruford e Rick Wakeman e resolvem formar um novo grupo.

Inicialmente queriam recriar o Yes mas Chris Squier, dono dos direitos da marca, não permitiu. Então formaram o Anderson, Bruford, Wakeman and Howe e gravaram um excelente álbum homônimo. No início dos anos 90 o quarteto se juntou com a outra facção do Yes liderada por Chris Squire e formaram o super Yes com oito integrantes: Anderson, Bruford, Wakeman, Howe, Squire, Tony Kaye, Trevor Rabin e Alan White. Em 1991 gravam o disco Union. Fazem uma grande turnê mundial e lançam o vídeo Yes Years. Como era muito músico para pouco Yes a formação não durou muito. Em 1995 o Yes retorna com Jon Anderson, Chris Squire, Steve Howe, Rick Wakeman e Alan White.

Em 1996 fazem 3 apresentações memoráveis em San Francisco, que se torna o álbum Keys to Ascension. São 4 cds com material inédito e grandes sucessos passados. O Yes estave de volta e lançam Open Your Eyes (97), The Ladder (99) e Magnification (2001). Até o re-retorno do Yes em 1985 Howe lançou seis discos solos.

Entre 95 e os dias atuais realizou, paralelamente ao Yes, outros trabalhos solos, inclusive um tributo a Bob Dylan chamado Portraits of Bob Dylan (99). Seu trabalho mais recente é Elements, lançado em outubro de 2003, com uma linda capa desenhada por Roger Dean, e que mistura rock, blues e jazz.

Eric Patrick Clapton ou Eric Clapton nasceu em 30 de março de 1945 em Ripley, Inglaterra. Clapton is God . Esta frase apareceu em forma de graffitti em Londres e Nova Iorque no final da década de 60. Após 35 anos Clapton é um dos mais aclamados guitarristas da história e um pop star globalizado.

Todo este sucesso é justificado por uma brilhante carreira que teve início com o primeiro super grupo da história, o Cream. Eddie Van Halen declarou que aprendeu a tocar guitarra copiando seus solos no Cream. Clapton ganhou inúmeros prêmios nas revistas especializadas além de vários Grammy's. É uma lenda viva e apesar da comparação indevida, Clapton foi Deus para muitos.

Começou na música inspirado por uma apresentação de Jerry Lee Lewis na TV inglesa. Entrou para o Kingston College of Art, para estudar design, mas aos 17 foi expulso por ter tocado guitarra na sala de aula. Conseguiu um emprego e passava o tempo que sobrava tocando guitarra. Participou das bandas Roosters e Casey Jones. Com uma boa reputação ingressou no Yardbirds. O grupo fez muito sucesso e Clapton já era considerado um virtuoso. Nesta época ganhou o irônico apelido de slowhand, pois sempre quebrava a corda da guitarra em suas performances. Com o Yardbids participou de dois álbuns - Five Live Yardbirds e For Your Love. Em 65 Clapton deixa a banda e entra para o John Mayall's Bluesbreakers. Foi nesta época que surgiram as famosas pixações com a frase Clapton is God. Em meados de 1966 sai do Bluesbreakers e forma o Cream, com Jack Bruce no baixo e Ginger Baker na bateria.

O Cream foi o primeiro super grupo do rock, pois os integrantes já eram famosos e conceituados. Um das maiores bandas da história. As versões ao vivo das músicas eram alteradas e ganhavam longos solos, tudo a base de muita improvisação e virtuosismo. Foi a melhor fase de Clapton. O Cream durou 2 anos e lançou 4 álbuns. Apesar da curta duração exerceu grande influência sobre o mundo do rock. Após o furacão Cream, Clapton se juntou a Steve Winwood e Ginger Baker e formou o Blind Faith, que durou menos de 1 ano e realizou 1 disco.

Em 1970 formou o Derek and the Dominos com alguns dos membros do Delaney & Bonnie & Friends e gravou o histórico álbum duplo Layla and Other Assorted Love Songs com a participação do guitarriista Duane Allamn. Neste disco está a música Layla, dedicada a mulher de George Harrison (Pattie), seu melhor amigo. No mesmo ano Clapton lança seu primeiro disco solo e emplaca o sucesso After Midnight.

Entre 70 e 73 Clapton passa por uma fase de inatividade motivada pelo uso de Heroína. Seu retorno foi registrado no álbum Rainbow Concert de 73. Em 1974 grava o memorável 461 Ocean Boulevard, disco que traz a música I Shot The Sheriff de Bob Marley, projetando o astro do reggae mundialmente. Na década de 70 Clapton firmou-se como um pop star e um dos mais respeitados guitarristas da história. Lançou excelentes discos como Slowhand (77), que tem a música Cocaine e o duplo ao vivo gravado no Japão Just One Night (80). Em 1979 casa-se com Pattie, a ex-mulher de George Harrison (divorciando-se em 1988). Na década de 80 Clapton enfrentou problemas com o alcolismo, mas conseguiu superar e lançou alguns discos, que apontaram uma certa mesmice em sua música, mas obteve um razoável sucesso, pois tudo que fazia era digno de atenção.

Em 20 de março de 1991 seu filho, Conor de 4 anos, morre vítima de uma queda acidental de um prédio. No mesmo ano grava o álbum ao vivo 24 Nights com uma super banda formada por Nathan East (baixo), Steve Ferrone (bateria) e Greg Phillinganes (teclados). Neste disco Clapton recria alguns sucessos do Cream como White Room e Sunshine of Your Love.

Em 1992 faz a trilha sonora do filme Rush e inclui a música Tears In Heaven, dedicada a seu filho. No mesmo ano grava o excelente MTV Unplugged que se torna um grande sucesso de vendas. Em 1994 Clapton voltas as raízes do blues com o aclamado disco From the Cradle. Clapton em 97 flerta com a música eletrônica no projeto T.D.F. ao lado do tecladista Simon Climie. Em 98 grava o bem sucedido Pilgrim. Em 2000 acontece um encontro histórico, Clapton e B.B. King gravam o disco Riding with the King.

Em 2002 grava Reptile seu mais recente trabalho de estúdio. No mesmo ano, em novembro, lança seu sexto disco ao vivo One More Car, One More Rider. Eric Clapton não é Deus e nunca foi. É um homem com defeitos e virtudes, um músico de muito brio e sentimento. Um guerreiro da vida, pois esteve bem perto da morte. Conseguiu superar obstácu-los como as drogas e a morte se seu filho. Hoje mantém uma fundação de combate ao alcolismo e leva uma vida normal, tocando, gravando e cantando.

Com certeza seu lugar já está reservado entre as maiores estrelas da música moderna.

Jeff Beck nasceu em 24 de Junho de 1944 em Wallington, Surrey, Inglaterra. Um dos maiores gênios da guitarra. Conteporãneo de Jimmy Page, Eric Clapton e Jimi Hendrix, Beck caracterizou-se pela inovação e garra. Sua música extrapola o rock, atingindo o fusion, o blues e o pop.

Infelizmente não teve o sucesso comercial que merecia, mas entre os guitarristas é um ídolo. Sua técnica é refinada e bem peculiar. Ganhou inúmeros prêmios nas revistas especializadas. Jeff Beck se tornou um mito e um dos mais aclamados guitarristas da história.

Iniciou na música estudando na London's Wimbledon Art College. Ganhou boa reputação ao tocar na banda de Lord Sutch, que o ajudou a entrar para o Yardbirds, em substituição a Eric Clapton. No Yardbirds permaneceu 2 anos e ganhou muita fama ao participar do filme Blow-Up, em uma cena em que Beck destrói sua guitarra.

No final de 67 cria o The Jeff Beck Group com o vocalista Rod Stewart, o baixista Ron Wood, o baterista Aynsley Dunbar e o tecladista Nicky Hopkins. O som da banda tinha uma inclinação para o rock pesado. Com esta formação lançaram dois discos Truth (68) or Beck-Ola (69). Em 70 Stewart e Wood deixam o grupo para formar o The Faces, com isso Beck desfez a banda. Resolveu criar um power trio com alguns elementos do Vanilla Fudge - Carmine Appice na bateria e Tim Bogert no baixo, mas Beck sofreu um acidente de carro e desistiu do projeto. Bogart e Appice foram tocar no Cactus.

Em 1971 com Beck já recuperado recriou o Jeff Beck Group, com o tecladista Max Middleton, o baterista Cozy Powell, o baixista Clive Chaman e o vocalista Bobby Tench, e gravaram Rough and Ready (71) e The Jeff Beck Group (72), discos que fizeram um bom sucesso. Em 72 o Cactus se desfez e Beck formou o power trio, Beck Bogert & Appice. Lançaram 2 discos, um em 73 e outro ao vivo no Japão. Quando trabalhavam para lançar o segundo disco, Beck abruptamente dissolveu o grupo.

Em 1975, depois de 18 meses de inatividade, Beck grava Blow By Blow com produção de George Martin. Blow By Blow tornou-se um marco na história da guitarra. Beck se aventurava pelo fusion e o resultado foi um disco inovador. O disco é todo instrumental e possui músicas que entraram para a história como a versão magnífica de Cause We've Ended as Lovers de Stevie Wonder. Na música She´s a Woman Beck faz sua guitarra falar. Blow By Blow recebeu o prêmio de melhor Rock/Blues Album pela revista Down Beat em 1975.

Em 1976 Beck grava Wired, outro aclamado álbum de fusion. Destacam-se a versão de Goodbye Pork Pie Hat (Charles Mingus) e Blow Wind, um duelo com o tecladista Jan Hammer. Em 1977 grava o disco ao vivo Jeff Beck with the Jan Hammer Group Live.

Em 1980 lança There and Back. Um super disco, onde Beck está impecável em composições muito bem construídas. Este disco é um altêntico representante do fusion e recebeu vários prêmios.

Em 1985 grava o disco pop-rock Flash, com a participação de Rod Stewart e produção de Nile Rodgers. A música "People Get Ready" faz um grande sucesso e o álbum recebe o Grammy de Best Rock instrumental. Em 1989 grava o disco Jeff Beck's Guitar Shop e recebe outro Grammy de Best Rock Instrumental. Na turnê do disco Beck teve como convidado o gênio Stevie Ray Vaughan. Em 1992 paraticipa do disco solo de Roger Waters Amused to Death.

Em 1999 grava o excelente Who Else! Em 2001 grava seu mais recente álbum You Had It Coming.

Howard Duane Allman, nasceu em 20 de novembro de 1946 na cidade de Nashville no Tennessee, EUA. Um dos maiores nomes surgidos na guitarra no rock, principalmente na "Slide Guitar" foi o criador do legendário Allman Brothers.

Passou sua infância na Florida onde foi incentivado pelo irmão, Greg Allman, a tocar guitarra. Greg mais tarde declarou que depois que Duane começou a tocar "he .. passed me up like I was standing still". Em 1965 os dois irmãos formaram uma banda na Florida com o nome de Allman Joys.

Depois, já em Los Angeles criaram outra banda chamada Hour Glass e gravram 2 álbuns sem sucesso. Apesar do não sucesso da banda o talento de Duane despertou o interesse de Rick Hall, proprietário de um estúdio, que o convidou para tocar no novo disco de Wilson Pickett. O trabalho de Duane neste album (Hey Jude,1968) chamou a atenção de nada mais nada menos que Eric Clapton, que declarou "I remember hearing Wilson Pickett's Hey Jude and just being astounded by the lead break at the end. .. I had to know who that was immediately - right now". De volta a Florida, em uma visita, fez uma Jam Session com amigos e surgiu a idéia de montar uma banda. Com a vinda do irmão Gregg que estava em Los Angeles, surgiu o Allman Brothers Band.

Em um show da banda em Miami, Eric Clapton, que estava gravando o disco Layla, foi ver Duane tocar. Quando entrou sentou-se na 1ª fila e Duane estava solando de olhos fechados, ao abri-los tomou um susto ao ver Clapton a sua frente e bruscamente intenrronpeu o solo. Após o show Clapton convidou Duanne para participar do disco. Após as gravações Clapton ofereceu a Duane uma vaga de guitarrista em sua banda, mas o talentoso guitarrista voltou para o Allman Brothers.

Em 1971, o Allman Brothers fez um legendário show no Fillmore East Auditorium em NYC . Esta apresentação se tornou um dos melhores discos ao vivo de rock de todos os tempos.

Duane Allman faleceu precocemente (29/10/1971 na cidade de Macon na Georgia, EUA) em um trágico acidente de moto, no qual tentou desviar de um caminhão e perdeu o controle de sua Harley Davidson. Tinha apenas 24 anos. Apesar de uma curta carreira Duane até hoje é lembrado como um dos maiores guitarristas do Rock.

Frank Vincent Zappa nasceu em Baltimore, Maryland EUA em 21 de dezembro de 1940. Um dos artistas mais criativos, irreverentes e provocativos da música no século 20. Sua discografia contém mais de 70 álbuns. Sua música inclui qualquer estilo que se pense: desde de ópera ao heavy metal, passando pelo jazz, funk, country, blues e disco.

Mas, atrás de toda esta criatividade existia um instrumentista fantástico: Zappa foi um dos maiores guitarristas de todos os tempos. Sua sonoridade era bastante exótica, pois Zappa não usava as escalas ou modos convencionais.

Sua irreverência incomodava muita gente desde críticos, políticos e ouvintes em geral. Em um show em Londres, em 1971, foi empurrado do palco por um elemento da platéia e fraturou o pé. Certa vez declarou: "My job is extrapolating everything to its most absurd extreme''.

Suas influências incluem R&B dos anos 50, Igor Stravinsky e o compositor clássico vanguardista Edgard Varese. Aos 10 anos sua família mudou para a California e sua vida musical teve início na High School como baterista de uma "banda de garagem" chamada Black-Outs.

Em 1964 ingressou no grupo Soul Giants que logo veio a se chamar Mothers of Invention. Seu primeiro disco (duplo) "Freak Out !" chocou a audiência com um som anti-rock, comentários sociais, huge R&B e muitas colagens musicais. Começava aí uma das mais "malucas" e consistentes carreiras da história da música.

Zappa ingressou no fusion do final da década de 70 e teve em seu grupo o virtuoso violinista Jean-Luc Ponty (disco Hot Rats de 1969). Em sua rica discografia destaca-se os seguinte discos: We're Only in It for the Money (68), Uncle Meat (69), The Grand Wazoo (73), Over-Nite Sensation (73), Apostrophe (74), Zoot Allures (76), Sheik Yerbouti (79), Shut Up 'N Play Yer Guitar (81 duplo instrumental repleto de solos de guitarra), Guitar (88) e a série de discos com gravações ao vivo You Can't Do That on Stage Anymore.

Em 1988 ganhou o Grammy com o disco Jazz From Hell. Entre seus herdeiros musicais encontra-se o guitarrista Steve Vai, fan de "carteirinha" de Zappa e que integrou sua banda por um longo período. Um de seus filhos, Dweezil Zappa seguiu o pai e se tornou um excelente guitarrista com influências de Steve Vai e Eddie Van Halen. Dweezil Zappa declarou que na infância atendeu muitos telefonemas de Eddie para seu pai.

Frank Zappa faleceu vítima de câncer em 4 de dezembro de 1993 aos 53 anos na cidade de Los Angeles.

Jimi Hendrix nasceu às 10:15 da manhã do dia 27 de novembro de 1942 em Seattle, Washington EUA. Foi mais que um virtuoso guitarrista, tornou-se símbolo de uma época. Ajudou a escrever parte da história recente como ícone da geração Paz e Amor. Hendrix foi uma estrela que virou constelação.

Seu pai James Al Hendrix, primeiramente chamou-o de Johnny Allen Hendrix e depois alterou seu nome para James Marshall Hendrix. Por falta de abilidade em ler música aprendeu ouvindo. Teve como influências B.B. King, Muddy Waters, Howlin' Wolf, Buddy Holly e Robert Johnson.

Ganhou seu primeiro instrumento de seu pai em 1958, uma guitarra acústica de segunda mão comprada de uma amigo por 5 dólares. Rapidamente criou um grupo chamado The Velvetones. Deixou o grupo 3 meses depois. Ganhou sua primeira guitara elétrica de seu pai, uma Supro Ozark 1560S. Entrou para a banda The Rocking Kings.

Em 1961 ingressou no exército americano e em 1962 foi para a brigada paraquedista. Nesta época formou o The King Casuals com o baixista Billy Cox. Depois de um acidente em um salto deixou o exército e começou a tocar como guitarrista de estúdio. Trabalhou com Tina Turner, Sam Cooke, Isley Brothers e Little Richard. Criou outro grupo o Jimmy James and the Blue Flames. Entre 65 e 66 tocou em pequenos clubs e em um destes, em NYC, foi visto pelo baixista do Animals Chas Chandler, que ficou impressionado com sua performance e o levou para Londres para produzi-lo. Chandler primeiramente mudou o nome da banda para Jimi Hendrix Experienced e introduziu o baterista Mitch Mitchell e o baixista Noel Redding.

O primeiro single foi Hey Joe que ficou 10 semanas em destauque na parada britânica. Seguiu-se o álbum de estréia: Are You Experienced, um dos mais aclamados discos da história do rock. Neste discos estão as famosas "Purple Haze," "The Wind Cries Mary," "Foxy Lady," "Fire," and "Are You Experienced?". O disco trazia psicodelismo e muitas inovaçôes no uso da guitarra.

Em junho de 1967 Hendrix retornou aos EUA para se apresentar no Monterey International Pop Festival. Em sua apresentação, na música Wild Thing, Jimi literalmente toca fogo em sua guitarra. Este ato simbólico entrou para a história conteporãnea chocando o mundo e tornou Hendrix e sua banda famosos mundialmente.

Surpreendente, Hendrix gravaria somente mais três discos de estúdio: Axis: Bold as Love (67) e o duplo LP Electric Ladyland (68). Neste último, gravado em seu próprio estúdio o Electric Ladyland, Hendrix explorou todas as possibilidades do estúdio incorporando à guitarra distorção, técnicas de overdubs, pedais e manipulações eletrônicas, com a ajuda do engenheiro Eddie Kramer. Em 1969 desfez a banda e montou outra, o Band of Gypsies com o batera Buddy Miles e o baixista e amigo do exército Billy Cox.

No verão de 1969 no festival de Woodstock, novamente chocou o mundo com sua interpretação de "Star Spangled Banner" o hino americano. Ouvia-se ali não apenas um guitarrista e sim um símbolo de uma época que representava o não a guerra e a violência.

Hendrix fez diversos contatos e gravações com vários artistas, inclusive com o gênio Miles Davis em 1968. Este encontro proporcionou novas perspecticas para o desenvolvimento do jazz. Em 18 de setembro de 1970, em Londres, Jimi Hendrix falece.

Francesco Antonio Marino ou Frank Marino nasceu em 20 de novembro de 1954 na cidade de Montreal no Canada. Filho de pai italiano e mãe síria/libanesa. Marino na infância estudou em colégio militar e na adolescência abandonou os estudos e entrou na onda de manifestações para a "Paz e Amor" ocorridas no final da década de 60. A trilha sonora escutada por Marino era composta por The Doors, Hendrix, Beatles, etc.

Aos 14 anos Frank Marino experimentou LSD resultando em uma má "viagem" e foi internado em um hospital para se recuperar. Durante o período de convalescência Marino começou a aprender música e a tocar guitarra para passar o tempo.

Assim, surgiu um dos melhores guitarristas de estilo hendrixiano. Devido a grande semelhança entre o som de Marino e o de Hendrix, o guitarrista canadense foi vítima de uma história fantasiosa divulgada pela imprensa: dizia-se que Marino teria "incorporado" o espírito de Jimi Hendrix durante a recuperação no Hospital. O fato é que Marino é um músico de muito talento e criatividade e sua semelhança com o mestre Hendrix é apenas estilística.

No início da década de 70 Marino formou o Mahogany Rush, com Jim Ayoub na bateria e Paul Harwood no baixo. Inicialmente tocaram em bares e lugares pouco famosos para receberem algum "trocado". Em 1973, assinaram com o selo canadense Kot'Ai Records e lançaram 3 discos: Maxoom, Child Of The Novelty (1974) e Strange Universe (1975). Marino abalou a critica e a audiência com sua técnica, garra e semelhança com Hendrix, o que gerou muita polêmica e até histórias fantasiosas.

O sucesso de Marino resultou em um contrato com a grande Columbia Records. Em 1976 é lançado o excelente Mohagany Rush IV. Após este disco o grupo mudou de nome e passou a ser chamar Frank Marino & Mahogany Rush. Com a Columbia Marino lançou mais 6 execelentes álbuns: World Anthem (1977), Frank Marino and Mahogany Rush Live(1978), Tales of the Unexpected (1979), What's Next (1980), The Power Of Rock N' Roll (1981) e Juggernaut (1982). Os discos acima mostram claramente a evolução da sonoridade de Marino.

No disco World Anthem Marino apresenta muita versatilidade com um tipo de rock sólido e de muita personalidade. Na gravação ao vivo pode-se perceber toda a energia de Marino no palco. Muito blues e rock'n'roll raíz. No final do disco um solo de guitarra que simula uma batalha aérea e uma homenagem a Hendrix com a música Purple Haze.Nos álbuns seguintes Marino começa a enfatizar o som de sua guitarra.

No álbum Tales of the Unexpected Marino inova na música que dá título ao disco, uma peça instrumental de andamento rápido com dois solos bem distintos e incríveis: o primeiro altamente jazzístico (em timbre e fraseado) e o segundo bem roqueiro, com agudos e sustainers. Em What´s Next e Power Of Rock'n'Roll, Frank Marino esbanja toda sua técnica em solos de guitarra sensacionais. São os trabalhos mais pesados e vigorosos.

No disco Juggernaut, Marino mescla muito bem faixas pesadas com baladas/blues como na excelente faixa "Stories Of A Hero". Após um hiato de 5 anos Marino lança o disco Full Circle em 1987 através da gravadora Maze. Depois da turnê é lançado um duplo ao vivo, que é muito bom, mas não possui a energia que permeia o primeiro ao vivo de 1978. Em 1990 lança From The Hip, um disco independente.

Até hoje Marino permanece ativo e no ano de 2000 gravou o disco Eye Of The Storm, que traz toda a sonoridade do velho e bom Mahogany Rush.

Alex Zivojinovic ou Alex Lifeson nasceu no dia 27 de agosto de 1953 em Fernie, British Columbia, Canada. Um dos pilares de uma das maiores bandas de rock de todos os tempos, o Rush. Lifeson tem estilo próprio, grande técnica e criou solos que viraram referência para guitarra.

Ganhou sua primeira guitarra aos 13 anos como presente de natal. Logo descobriu o rock¿n roll e teve como principais influências Eric Clapton e Jimi Hendrix. Na década de 60 fazia jams com o baterista John Rutsey.

No final da década o baixista Geddy Lee entrou para o grupo. Inicialmente faziam cover do Cream, Led Zeppelin e The Who. Aos poucos ganharam fama na região e começaram a compor suas próprias músicas. Em 1973 assinaram com a Polygram e re-lançaram o primeiro disco, entitulado Rush (que já havia sido lançado de forma independente).

A sonoridade do primeiro disco é notadamente Led Zeppelin. Lifeson se mostra solto e realiza grandes solos. Logo após o lançamento do primeiro disco o baterista Rutsey deixa a banda e entra Neil Peart. Com a entrada de Peart o Rush muda totalmente de estilo. Produz um som de características mais progressivas mas com um certo peso. Lifeson se posicionou de forma estupenda dentro do novo som da banda. Logo o Rush adquiriu sonoridade própria e altamente característica.
A guitarra de Lifeson ajudou muito para que isto ocorresse, com solos antológicos ajudou a escrever a história da banda.

Billy F. Gibbons nasceu em 4 de março (ou 16 de dezembro) de 1950 em Houston, Texas EUA. Genial guitarrista, seu estilo é o rock com forte influência do blues. Influenciou vários guitarristas, inclusive Joe Satriani (ouçam a música Big Bad Moon). Fundador da conceituadíssima banda ZZ Top. Suas frases são muito criativas e seu timbre é altamente característico.

Cresceu sob a influência de Elvis Presley e do country texano. Aos 13 anos ganhou de natal sua primeira guirarra, uma Gibson Melody Maker, junto um amplificador Fender.

Aos 14 formou seu primeiro grupo, o The Saints. Depois integrou o Coachmen, banda que se inpirava no rock de Jimi Hendrix e Jefferson Airplane. Depois Gibbons mudou o nome da banda para Moving Sidewalks, e em 1968 lançou o primeiro disco, Flash. Abriu alguns shows de Jimi Hendrix. O mestre deu de presente a Gibbons uma guitarra fender , em reconhecendo a seu grande talento.

Em 1970 formou o ZZ Top ao lado do baixista Dusty Hill e do baterista Frank Beard. O som do ZZ Top era permeado por rock e blues, com tempeiro texano. Gibbons fazia excelentes riff´s, e o grupo aos poucos foi conquistando seu espaço. Os dois primeiros álbuns, ZZ Top e Rio Grande Mud, fizeram um discreto sucesso, mas é notável a qualidade sonora do grupo.

Em 1973 lançam o terceiro disco, Tres Hombres que fica entre os 10 mais vendidos nos EUA e o power trio, finalmente, ganha notoriedade nacional. Neste álbum está um dos clássicos da banda, La Grange. Gibbons mostra muita personalidade em frases sensacionais.

David Jon Gilmour ou David Gilmour nasceu em 6 de março de 1946 em Grantchester Meadows, Cambridge, Inglaterra. Guitarrista do legendário grupo Pink Floyd. Gilmour é um “monstro” da guitarra, seus solos são extremamente bem construídos e de fácil assimilação. Suas frases têm timbre forte e marcante. Sua sonoridade ajudou a posicionar o Pink Floyd como uma das maiores bandas da história.

Começou a tocar violão aos 13 anos como autodidata. Suas influências foram B.B. King, Jimi Hendrix e Peter Green, mas seu artista favorito é Bob Dylan.

Em 63, com alguns amigos, formou a banda The Jokers Wild. Em 66 excursionou pela França, onde passou necessidades, inclusive passou fome, sofrendo de desnutrição e desidratação. Em 67 formou duas bandas: Flowers e Bullitt. Nesta época gozava de boa reputação como vocalista e guitarrista. Em 68, Roger Keith Syd Barrett, seu colega de infância, convidou-o a integrar o Pink Floyd (Jeff Beck também foi sondado), que na época só havia realizado um disco, o excelente The Piper at the Gates of Dawn . O grupo fez algumas apresentações com os dois guitarristas, mas Barret deixou a banda devido a sérios problemas mentais.

Começa assim uma das mais bem sucedidas formações da história da música conteporânea. Gilmour, já participa do segundo disco, "A saucerful Of Secrets" (68), como compositor na faixa título. Até o final da década de 60 o Floyd lança duas trilhas sonoras “More” (68) e "Zabriskie Point" (70) e o álbum Ummagumma (69), que introduziu o grupo no mercado americano. Na década de 70 a banda literalmente decolou.

Em todos os discos a presença de Gilmour, como vocalista inclusive, foi decisiva para que o Floyd alcançasse a excelência. Solos como os das músicas, Time, Money, Echoes, Wish You Were Here, Comfortably Numb e Another Brick in the Wall, Pt. 2 são verdadeiros clássicos, que qualquer guitarrista que se preze deve conhecer. Gilmour além de grande guitarrista é piloto de avião, possui uma Companhia aérea e uma coleção de aviões.

John Dawson Winter III ou Johnny Winter nasceu em Beaumont, Texas EUA em 23 de fevereiro de 1944. Legendário guitarrista texano, considerado um dos nomes mais representativos do blues. Possui todos os ingredientes de um super guitarrista: tem estilo, fraseado característico, técnica apurada e muito sentimento. Apesar de ser albino tem alma "negra".

Iniciou na música aos 5 anos aprendendo clarineta. Poucos anos depois trocou pela guitarra. Cresceu ouvindo blues e gospel, música tocada por negros em Beaumont. Aprendeu técnicas de country music em uma loja de instrumentos onde trabalhou. Aos 11 anos formou com o irmão Edgar Winter o Everly Brothers.

Fizeram sucesso e apareceram em alguns shows na tv local. Em 59 foram para Nova Iorque, onde participaram do programa Original Amateur Hour de Ted Mack. Voltaram para Beaumont e, no mesmo ano, Winter formou sua primeira banda chamada Johnny and the Jammers, com o irmão nos teclados.

O grupo foi considerado um fenômeno e logo gravaram os singles "School Day Blues" e "You Know I Love You", Johnny tinha apenas 15 anos. Começou a frequentar clubs de negros onde se tocava blues. Nos meados da década de 60 fez muito sucesso em sua região e gravou muitos singles e alguns discos. Teve uma breve passagem por Chicago, para divulgar seu material. Em 68 formou um trio com Tommy Shanon no baixo e Uncle John Turner na bateria e realizaram o disco "The Progressive Blues Experiment". Foram para a Inglaterra e fizeram algumas apresentações.

Ao voltar para o texas um artigo havia sido publicado na revista Rolling Stones sobre a cena texana, onde comparou Johnny a Janis Joplin: "the hottest item outside of Janis Joplin". Esta reportagem teve repercusão nacional e fez despertar um grande interesse pelo recente disco do trio de Winter. Logo veio um contrato com a Columbia, que durou até 74. Neste período Winter lançou os álbuns Second Winter" (69), "Johnny Winter And" (70), "Still Alive And Well" (73) e "Saints And Sinners" (74). Vale destacar que Winter formou em 70 o Johnny Winter Band que contava com a presença do conceituado guitarrista Rick Derringer, que além de tocar também atuou como produtor.

Em 75, Winter assinou com a CBS e realizou "John Dawson Winter III" (74), o seminal "Captured Live" (76) e o aclamado "Nothin' But The Blues" (77), este com Muddy Waters e sua banda. Entre 77 e 80 trabalhou intensamente com Muddy Waters gravando os discos "Hard Again", "I'm Ready" (78) vencedor do Grammy,"Muddy "Mississippi" também ganhador de Grammy, "Waters Live" (1979) e "King Bee" (1980). Neste período também gravou um excelente álbum chamado White Hot & Blue (78).

Após um hiato de 4 anos assinou com a gravadora Alligator e lançou 3 discos que foram nomeados para o Grammy, "Guitar Slinger" (84), "Serious Business" (86) e "Third Degree" (88).

Steve Hackett nasceu em 12 de fevereiro de 1950 em Londres, Inglaterra. Um dos maiores guitarristas do rock progressivo. Integrou o legendário grupo Genesis em sua melhor fase. É também um excelente violonista clássico.

Hackett começou sua carreira musical na década de 60, quando tocou em alguns grupos de pouca expressão, entre eles o Canterbury Glass e o Sarabande. Sua primeira gravação foi em 1970 com a banda de rock progressivo Quiet World no disco The Road.

Em 1971 colocou um anúncio no periódico inglês Melody Maker. Recebeu uma proposta de Peter Gabriel, vocalista da banda Genesis. Assim Hackett ingressou na banda em substituição ao guitarrista Anthony Philips. Inicialmente Hackett teria sido contratado para excursionar com a banda, mas sua técnica, elegância e grande capacidade musical o tornaram um membro permanente e influente no Genesis.

Cabe lembrar que Hackett foi o pioneiro no uso do tapping, técnica que Eddie Van Halen imortalizou e levou às últimas conseqüências.

Tony Iommi nasceu em 19 de fevereiro de 1948 em Birmingham na Inglaterra. Uma das figuras mais importantes na história do rock. Guitarrista fundador do histórico grupo Black Sabbath. Responsável por bases e riffs históricos, que moldaram a história do rock pesado. Influenciou toda uma geração de roqueiros. Sua sonoridade espelha perfeitamente a alma do rock: garra, sentimento e criatividade.

Iniciou sua vida como guitarrista na adolescência e teve como inspiração o grupo Hank Marvin & the Shadows. Em 1967 após ter tocado com várias bandas formou o grupo Earth com 3 amigos de colégio: o baixista Terry "Geezer" Butler, o baterista Bill Ward e o cantor John "Ozzy" Osbourne.

Um fato muito interessante é que Iommi, em um acidente, teve as pontas dos dedos médio e anular da mão direita decepados. Desesperado procurou auxílio da medicina que o desencorajou. Então um amigo mostrou alguns discos de Django Reinhardt, que também teve alguns dedos mutilados, e mesmo assim tornou-se um gênio do instrumento.

Isto encorajou Iommi que, muito perseverante desenvolveu técnica própria para tocar guitarra. Para isto usou alguns dedais para suprir sua deficiência.

Rory Gallagher nasceu em 2 de março de 1949 em Ballyshannon, Irlanda. Um dos grandes guitarristas de rock e blues do final do século passado. Apesar de não ter a fama que mereça, Gallagher sempre foi muito respeitado no meio musical.

Sua sonoridade era formada por elementos do blues, rock e folk. Tinha como grande características seu jeito simples de ser.

Aos 9 anos começou a tocar guitarra, fascinado pelo folk e blues americanos que ouvia pelo rádio.
Possuía uma grande coleção de discos e teve como grandes influências Leadbelly, Buddy Guy, Freddie King, Albert King, Muddy Waters e John Lee Hooker.

Até os 15 anos participou de algumas bandas e depois deixou a escola para excursionar com a The Fontana Showband. Em 65 formou o Taste que tinha na sua primeira formação o baixista Eric Kitteringham e o baterista Norman Damery. Fizeram shows na Alemanha e Irlanda. Em 68 entram na banda John Wilson (bateria) e Richard McCracken (baixo).
Com esta formação o Taste decolou e fez um bom sucesso.

Robin Trower nasceu em 9 de março de 1945 em Catford, Inglaterra. Legendário guitarrista de rock e blues. Tem estilo hendrixiano e é um dos poucos que mantém a chama do bom rock viva. Sua carreira solo tem mais de 30 anos.

Em 1962 formou sua primeira banda, The Paramounts, com o cantor e tecladista Gary Brooker. A banda era especializada em covers e tocava Ray Charles, James Brown, Bobby Bland e The Coasters. Até 1965 o Paramounts lançou vários singles. Em 1966 Brooker sai para formar o Procol Harum.

Um ano depois Trower foi convidado pelo amigo a integrar banda. Permaneceu no Procol até 1971 onde gravou 5 álbuns clássicos. Trower ganhou projeção internacional e o Procol ficou pequeno para ele. Em 1973 ingressou na carreira solo. Seu primeiro disco foi o excelente Twice Removed From Yesterday. Sua banda era formada por James Dewar (baixo) e Reg Isidore (bateria), logo depois Isidore seria substituído por Bill Lordan.

Em 1974 lança Bridge of Sighs. Com este álbum Trower estourou no mercado americano. Duas razões motivaram este fato: o disco é excepcional e o estilo próximo ao de Hendrix preencheu, de certa forma, a lacuna deixada pelo gênio. O disco ficou entre os 10 mais vendidos nos EUA e tornou-se o álbum de maior sucesso.

Ritchie Blackmore nasceu em 14 de abril de 1945, em Weston-Super-Mare, Avon Inglaterra.
Guitarrista formador das super bandas Deep Purple e Rainbow. Blackmore é um dos mais ovacionados guitarristas de todos os tempos. Autor de riffs que entraram para a história como na música Strange Kind Of Woman.

Consegue unir, técnica, garra, personalidade e timbre inigualável. Independente do hoje e do amanhã, Blackmore já escreveu seu nome na história do rock.

Começou na música aos 9 anos quando seu pai lhe deu um violão. Teve aulas de violão clássico. Iniciou na guitarra elétrica aos 11. Ritchie tem um temperamento violento e arrogante e a cada insatisfação criava uma nova banda. Antes do Deep Purple havia participado de 20 bandas. Em 68 formou com o tecladista Jon Lord o Deep Purple. Teve como primeira formação, além de Blackmore e Lord, Rod Evans (vocais), Ian Paice (bateria) e Nick Simper (baixo). Gravaram 3 álbuns: Shades of Deep Purple (68), Book of Taliesyn (68) e Deep Purple (69). Emplacaram alguns sucessos como Hush, que ficou em 4º lugar na parada inglesa.

Após a gravação do 3º disco, Evans e Simper deixam a banda e entram Ian Gillan nos vocais e Roger Glover no baixo. Com estes elementos estava formada uma das mais maiores bandas de rock da história.